Observando este blog alguém poderia perguntar, "porque tanta atenção à Síria?"

Simples:
- é o maior ataque físico contra a cristandade nos últimos tempos (incluindo o Iraque);
- é o maior risco de eclosão de uma nova guerra mundial (e de fato, com o planejado ataque dos EUA contra Síria, impedido pela Russia, os EUA mudaram de planos e agora desestabilizam diretamente a Ucrania, quintal da Rússia);
- é um dos últimos países que resistem contra uma nova ordem mundial sem Deus (http://nonpossumus-vcr.blogspot.com.br/2014/01/comentario-eleison-numero-cccxxxix-339.html );
- é notavelmente um dos pontos (junto agora com Ucrânia e Gaza) de maiores pecados contra o Oitavo Mandamento, por parte da maioria da mídia (pecado grave que coloca em risco a salvação de muitos jornalistas).
Nota - os textos em itálico acima foram incluídos em 15/8/14.


sábado, 28 de abril de 2012

A nova Síria sem cristãos - Caifás festeja



 Os padres sírios que há meses alertavam sobre este perigo foram ignorados ou contraditos pelo Vaticano e pelos governos ocidentais. Se está realizando então o sonho dos descendentes de Caifás: cancelar a presença cristã no Oriente Médio, berço do Cristianismo, para dar lugar ao Grande Israel.
http://federiciblog.altervista.org/2012/04/28/la-nuova-siria-senza-cristiani-caifa-festeggia/

Considerado um dos maiores intelectuais da França na atualidade, o filósofo e jornalista Bernard-Henri Lévy foi um grande defensor da intervenção na Líbia (...)  Um ano depois, BHL, como é conhecido em seu país, pressiona por uma ação na Síria, criticando o Brasil por se apresentar como obstáculo à operação militar,..
http://br.noticias.yahoo.com/diplomacia-brasil-s%C3%ADria-%C3%A9-bizzara-diz-bernard-henri-023428604.html


[  E a maioria dos sites católicos brasileiros pouco se importa sobre esta perseguição islamica contra os cristãos da Síria.  Será porque é claramente financiada pelo Ocidente que estes sites querem defender? Ou fizeram um pacto, onde podem falar as coisas mais belas do verdadeiro Catolicismo, mas em assuntos de política internacional devem seguir uma certa agenda, onde certos assuntos devem ser "filtrados" e "ajustados"? Talvez sem perceber os católicos estão se aliando a criminosos com este BHL, apoiador de terroristas islamicos, citado acima. ]

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Meias verdades sobre o Sudão

 

[ Circula em meio "católico tradicional" esta notícia que, tem meias verdades.   É verdade o perigo islamico de sempre.  Mas como foi inflamado nesta região?  Alguem quer procurar a verdade inteira ou o 8o Mandamento está fora de moda? ]

Shea (diretora do Hudson Institute) recordou, além disso, que “os ataques para destruir Igrejas se converteram em um padrão em cada vez mais áreas islâmicas. Em anos recentes, as Igrejas - algumas com fiéis cristãos– foram queimadas ou bombardeadas repetidamente no Egito, Iraque e Nigéria”.
http://www.acidigital.com/noticia.php?id=23524#.T5dn4dehZYC.email

Outra metade da verdade pode estar aqui:

Aparentemente grupos israelenses ou pro-israelenses andaram espalhando cizania na região:
Omar Bashir’s remarks have angered pro-Israel lobby groups who have called it a slur against Jews and Israel for their SPLM support against pro-Iran Khartoum regime. Last month, during an anti-Khartoum protest rally in front of Sudanese embassy in Washington DC – several Rabbis and Zionist Jews were arrested for inciting hatred toward Muslims.
http://rehmat1.wordpress.com/2012/04/20/sudanese-president-calls-splm-leaders-insects/

Diga-me COM QUEM ANDAS e eu te direi quem és
Ou:    Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

Sobre o Hudson Institute citado na notícia:
Aparentemente financia um instituto sionista:
In mid-2010, Israeli bloggers uncovered the Hudson Institute’s funding of a right-wing Israeli group that was founded by a settler leader named Israel Harel. According to authors Didi Remez and Shira Beery, writing in the blog Coteret, U.S. tax forms and official Israeli registration documents show that Hudson has been a principal financial backer of the Institute for Zionist Strategies (IZS), providing no less than 50 percent of this group’s budget over several years, amounting to hundreds of thousands of dollars
http://www.rightweb.irc-online.org/profile/hudson_institute

 Além de numerosas fábricas de propaganda, denominadas think tanks, fôrom estabelecidas com subsídios de milhons de dólares de sionistas multimilionários, incluídos o Brookings Institute (Haim Saban) e o Hudson Institute entre outros.
http://mragallaecia.blogspot.com.br/2010/10/as-bases-locais-e-estatais-do-poder.html

Jornalismo mais sério sobre o Sudão:  http://www.youtube.com/watch?v=_l1fGhHQEqU&feature=plcp

domingo, 22 de abril de 2012

Síria: rebeldes expulsam 50000 cristãos da cidade de Homs


O êxodo de mais de 50 000 cristãos produziu-se em sua maioria durante as últimas seis semanas. Isto faz parte da "limpeza étnica" posta em marcha por grupos militantes islâmicos vinculados ao Al Qaeda, de acordo à organização internacional católica Ajuda à Igrejaque Sofre (AIS).
...
As comparações com o Iraque são sinistras. A violência contra os fiéis nesse país ocasionou que a população cristã passasse de 1,4 milhões ao final de 1980 a menos de 300 000 na atualidade.

 
http://professorfariahistoria.blogspot.com.br/2012/03/mais-de-50000-cristaos-fogem-dos-seus.html
http://blog.echurchwebsites.org.uk/2012/04/17/syria-revolutionary-fighters-expel-50000-christians-embattled-city-homs/
http://www.teleios.com.br/2012/ethnic-cleansing-of-syrian-christians-frank-crimi/

"Os cristãos, olhando a situação atual no Iraque, esperamos que o povo sírio não sofra como o que aconteceu com o povo iraquiano, que foi martirizado inclusive depois da guerra. O que temem os cristãos é que se produza um vazio de poder que deixe espaço às máfias, a injustiça e ao extremismo".
http://www.acidigital.com/noticia.php?id=23460

[   Espero que o grande público, principalmente vários sites e revistas "católico tradicionalistas" comecem a perceber (se já não sabem e na verdade se sentem comodos na mentira)  que o problema não é apenas o islã.  Na verdade o islã é utilizado por outros interesses, outras forças anti-cristãs.  Neste caso da Síria, assim como foi no Kosovo, no Iraque, e na Líbia, o Ocidente e Israel se alia aos grupos islamicos mais fanáticos, para avançar suas agendas no Oriente Médio e ao mesmo tempo dizimar as populações cristãs, e deste modo ampliando o "choque de civilizações" entre o islã e o cristianismo;  o que deve ser do interesse de algum grupo inimigo de ambas.   ]

terça-feira, 17 de abril de 2012

Comité Internacional para la defensa de los oprimidos y exiliados libios

 

Por la Asociación Santa María de África asistió S.A.R. Don Sixto Enrique de Borbón, Duque de Aranjuez, representante de la legitimidad dinástica española.
..
 Los oradores denunciaron la ilegalidad de esta guerra contra Libia y el hecho de que se aparta completamente de las resoluciones 1971 y 1973 del Consejo de Seguridad de la Organización de Naciones Unidas, y en particular se hizo hincapié en las consecuencias catastróficas para Libia.
http://santamariadeafrica.wordpress.com/2012/03/21/comite-internacional-para-la-defensa-de-los-oprimidos-y-exiliados-libios/

domingo, 15 de abril de 2012

Islamização <- Multiculturalismo <- Imigração


[ Conforme comecei no post "Meia verdade é mentira inteira", reduzir o problema da islamização da Europa ao Islã, é esquecer todos os outros agentes que levaram a este problema, e desta forma nao querer realmente resolver o problema.  Não vou elaborar, mas colocarei varios textos.  Posso não concordar completamente com alguns dos textos, mas devem servir para mostrar a amplitude do problema, e incentivar ulteriores pesquisas dos leitores. ]

Declaração do principal conselheiro no Foreign Office após Churchill ter tomado o poder:
“Nós estamos em guerra não para derrubar o Nazismo, não para derrubar Hitler, nós conduzimos uma guerra não para enterrar o fascismo, mas sim fazemos guerra apenas para enterrar a Alemanha. Nós queremos que esta potência na Europa esteja destruída para sempre.”
 [  Mostrando o texto acima a preocupação maior, desde as guerras mundiais, que é de não ter uma Europa forte -  isto se alinha com a agenda de multiculturalismo que veio depois, a insistência dos EUA de colocar a Turquia na OTAN, na comunidade europeia, atacar a Sérvia favorecendo o islâmico Kosovo, etc.  ]

É fundamental, por isso, perceber as hierarquias do problema e subalternizar a crítica da islamização europeia à crítica, mais ampla, da imigração desregrada. Se isso não for feito, o resultado não será apenas a confusão doutrinária no interior dos movimentos nacionalistas mas também a confusão – para o exterior – com determinadas forças que são contra a islamização da Europa mas que, ao mesmo tempo, são indiferentes à defesa da identidade integral europeia…isto quando não lhe são manifestamente adversas.
Os riscos que advêm daqui são múltiplos: erros de análise na distinção entre amigos e inimigos, desencaminhamento de militantes, atracção de outros pelas razões erradas, desacerto nas batalhas a travar e no objectivo a atingir, etc.
Se o combate à imigração e o combate ao islão não forem devidamente enquadrados e hierarquizados, caminhar-se-á progressivamente para uma “reductio ad islam” que resultará em achar que esse é o combate central e que, findo esse, os objectivos estão alcançados. Dessa forma, mesmo para aqueles que conseguissem entender que o problema do islão na Europa provém sobretudo do problema da imigração, a solução seria, quanto muito, a mera redução da imigração islâmica, sem mais considerações contra as outras proveniências dos movimentos migrantes.
Recordamo-nos do presidente Pompidou reconhecendo, pouco antes da sua morte, que havia aberto as válvulas da imigração a pedido dos grandes patrões, desejosos de poder beneficiar de uma mão-de-obra numerosa, dócil e barata, de uma reserva quase inesgotável em condições de reduzir as reivindicações dos trabalhadores.
http://ofogodavontade.wordpress.com/category/imigracao/

Aos pensadores da hegemonia global norte-americana interessa uma Europa assente num modelo globalizado e multicultural, desde que não exista o risco de islamização. Isto porque o Islão é hoje uma das grandes forças de resistência à geopolítica global do Império norte-mericano. Aos EUA interessa uma Europa que se insira na lógica do que é o modelo societário dos EUA, em que o mercado global acaba por ser o único delineador de identidades, um mundo em que as pessoas são antes de tudo produtores e consumidores, de individualismo radical, em que a economia determina os valores. A islamização do continente europeu não representaria apenas uma ameaça à geopolítica global e ao poderio militar norte-americano, mas também uma ameaça à lógica mercantilista do seu modelo de sociedade. Conclusão: Também nalguns sectores políticos estado-unidenses existem os que lutam contra a islamização da Europa, mas também esses são ferozes inimigos da identidade europeia.
http://ofogodavontade.wordpress.com/2010/01/31/sobre-o-discurso-contra-a-islamizacao-da-europa/

sábado, 14 de abril de 2012

Premio Nobel critica ameaças israelenses contra Irã


Critica que Israel tenga armas nucleares, se oponerse a que Alemania venda submarinos aptos para llevar ojivas nucleares a israel, estar en contra de un ataque preventivo a las centrales nucleares iraníes, acusa de que un bombardeo antinuclear israelí sería el exterminio del pueblo iraní y la extensión de un certificado de buena conducta nuclear a Irán asegurando que "no se ha probado la existencia de una sola bomba".

CNN:
http://www.youtube.com/watch?v=BbVCHUQ0z9g&feature=related

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Meia verdade é mentira inteira


[  Percebo no meio "católico tradicionalista", especialmente no Brasil, a tendencia de denunciar o islamismo crescente na europa e os ataques islamicos contra cristãos em países árabes, sem contudo denunciar suas causas completas que residem tambem (alem de outras, como a excessiva imigração permitida pelos governos europeus) nas guerras injustas do Ocidente contra os países de maioria muçulmana, e nas guerras do mesmo Ocidente ajudando grupos islamicos mais radicais (como no Kosovo), conforme a própria FSSPX diz no texto abaixo.  ]

Consequentemente, a guerra contra o Iraque não é moralmente lícita.  (...)  Deve-se esperar que esta não seja uma repetição do Kosovo, onde a invasão da OTAN levou como consequencia a destruição de mais de 100 mosteiros e igrejas, a maioria dos quais tinham sobrevivido a 500 anos de governo islamico.  [Fr. Peter R. Scott]
http://www.sspx.org/catholic_faqs/catholic_faqs__morality.htm#just war iraq

Monsenhor Lefebvre mostrando uma das causas - o governo frances:
- O que devemos fazer, Monsenhor?
- Exijam ao governo para parar o Islã!  Religioes não podem coexistir. Devem ficar aonde elas pertencem.
http://www.youtube.com/watch?v=efMwONIeRl8           (em 2min 38seg)


E LEMBREM-SE:   MEIA VERDADE É MENTIRA INTEIRA!

Crise da fome evidencia efeitos do conflito líbio em região africana

[  Ainda os efeitos da injusta guerra contra a Líbia, já esquecida pela Midia Ocidental.  ]



A crise da fome que começa a se configurar na região africana do Sahel e o golpe militar no Mali colocaram em evidência efeitos que o conflito da Líbia teve nos países ao seu redor.
...
"As potências ocidentais subestimaram o fato de que a derrubada de Khadafi teria sérias repercussões na região do Sahel".
 
[   "Subestimaram" nada,  pouco se lixaram disto, ou mesmo planejaram, pois serão desculpas de mais "intervenções humanitárias".  ]
 
 
 

Inni e Canti della Cristianità



Siria: o drama dos cristãos e os crimes dos mercenários


De um grupo de cristãos italianos na Síria:

Nos sentimos indignados e impotentes frente ao tipo de informações que circulam na Europa e fazem opinião, sustentando as sanções internacionais, uma das armas mais iniquas que o Ocidente utiliza para manter as mãos limpas e dirigir assim mesmo a história de outros povos.  Limpas ate' certo ponto: se multiplicam as denuncias da presença de pessoal militar ingles, frances (e de outros paises) ao lado dos rebeldes para organizar as ações de guerrilha, grave violação internacional que passa sob silencio.
http://federiciblog.altervista.org/2012/04/12/siria-il-dramma-dei-cristiani-e-i-crimini-dei-mercenari/

terça-feira, 10 de abril de 2012

Reator 4 - Cavaleiro do Apocalipse?


[  A grande midia, apesar de fraca e lentamente,  já não pode esconder a grande e duradoura catástrofe de Fukushima, bem pior do que o Tsunami que a desencadeou.  ]

Grande Mídia:

O maior acidente radioativo desde Chernobyl reavivou no Japão os traumas da bomba atômica, destruiu a crença nas usinas seguras – e disseminou pelo mundo o terror nuclear. (...)
Nos reatores 3 e 4 aconteceu algo semelhante, mas nas piscinas que guardam as varetas de combustível já usadas. Elas preocupam ainda mais. Gregory Jaczko, presidente da Comissão Regulatória Nuclear dos Estados Unidos, disse ter informações de que, no reator 4, a água da piscina de combustível usado teria evaporado completamente, deixando o material suscetível à explosão.
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI219473-15227,00-DE+HIROSHIMA+A+FUKUSHIMA.html

A piscina de armazenamento do reator 4 da central nuclear de Fukushima não contém mais água, e os níveis de radiação estão "extremamente elevados" no local, declarou nesta quarta-feira o presidente da Comissão de Regulação Nuclear dos EUA (Nuclear Regulatory Commission - NRC), Gregory Jaczko durante uma audiência no Congresso americano. Autoridades japonesas, porém, negam a informação.
http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/eua+piscina+de+armazenamento+esta+sem+agua+em+usina+do+japao/n1238173311932.html

Depois da explosão do edifício dos reatores 1 e 3, uma nova deflagração ameaça agora o reator número 4.
http://www.youtube.com/watch?v=t0NLUSkvWLk
Midia Alternativa (um "pouco" mais pessimista...):

Em ambos os casos as hastes radioativos não são protegidos por um vaso de contenção; perigosamente, estão abertas ao ar. Isso certamente causará uma catástrofe global como nunca antes foi experimentada. Ele ressaltou que a responsabilidade do Japão para o resto do mundo é imensurável. Tal catástrofe afetará todos nós por séculos. Embaixador Murata nos informou que os números totais das barras de combustível irradiado no local Daiichi Fukushima excluindo as hastes no vaso de pressão é 11.421.http://2012umnovodespertar.blogspot.com.br/2012/04/o-pesadelo-de-fukushima-reator-4-de.html

http://theintelhub.com/2012/04/09/fukushima-has-potential-to-destroy-the-world-and-our-civilization/


Tenho falado sobre a seriedade disto há tempo, e sobre o silencio desta pobre grande mídia:

http://oitavomandamento.blogspot.com.br/2011/09/fukushima-bbc-escondendo-os-reais.html

http://oitavomandamento.blogspot.com.br/2011/10/exames-de-tireoides-360000-menores-pelo.html

http://oitavomandamento.blogspot.com.br/2012/03/fukushima-um-ano-depois.html

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Analista: EUA e Arabia Saudita apoiam a grupos extremistas na Síria

[  Puxa... será?   Não há tantos, inclusive "tradicionalistas", que veem os EUA como um "baluarte contra o Islã"??  ]

domingo, 1 de abril de 2012

Rousseff apoia o programa nuclear iraniano


Grande midia ocidental:
Não é a primeira vez que a representante do Brasil comenta favoravelmente a esse assunto que tem gerado tantas polêmicas no mundo, para Dilma o Irã tem direito de desenvolver seu programa nuclear e que por esse motivo o Brasil não se opõem às pesquisas se eles tiverem fins pacíficos.
Mas o que assusta os países vizinhos, principalmente Israel, são as supostas criações de bombas atômicas que poderiam destruir não só os países do Oriente Médio como também o mundo.
Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/dilma-apoia-programa-nuclear-do-ira-durante-visita-a-india/#ixzz1qmVwEHar

[  Acima vemos a falacia "argumentum ad metum" (argumento pelo medo).   O Irã tambem deve estar bem assustado com um Israel bem armado de bombas nucleares. ]

Grande midia iraniana:
Muchos países, entre ellos Brasil, han afirmado que el asunto nuclear iraní se debe solucionar a través de las normas internacionales y del respecto al derecho del uso pacífico de la energía nuclear, en lugar de aplicar sanciones unilaterales.